Poesias e Poemas – Machado de Assis – Círculo vicioso

Poesias e Poemas – Machado de Assis – Relíquia íntima
26 de julho de 2008
Imagens Engraçadas – Animais Doidos – parte 2
26 de julho de 2008

Círculo vicioso

Bailando no ar, gemia inquieto vagalume:
“Quem me dera que eu fosse aquela loira estrela
Que arde no eterno azul, como uma eterna vela!”
Mas a estrela, fitando a lua, com ciúme:

“Pudesse eu copiar-te o transparente lume,
Que, da grega coluna à gótica janela,
Contemplou, suspirosa, a fronte amada e bela”
Mas a lua, fitando o sol com azedume:

“Mísera! Tivesse eu aquela enorme, aquela
Claridade imortal, que toda a luz resume”!
Mas o sol, inclinando a rútila capela:

Pesa-me esta brilhante auréola de nume…
Enfara-me esta luz e desmedida umbela…
Por que não nasci eu um simples vagalume?”…

Machado de Assis

Mais de Machado de Assis

By: Áulus Silva

3 Comentários

  1. luke disse:

    Lindo poema,
    As vezes desejamos algo que o outro tem e não lugamos por
    que agente tem em mãos sem saber que muitos o deseja.

  2. Grandes obras como Belomonte – Aeroportos – Trem-Bala e etc.. Um manda, outro desmanda, outro manda de novo e ninguém decide!
    Sol – Lua – Vaga-lume. Todos querem o seu lugar ao sol. = Corrupto -Corruptor e quem paga os Alvará$ é o povo = vaga-lume

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *