Papo SérioPolitica

Política – A veja e as manifestações



Achei essa publicação na página Movimento pró corrupção e achei muito interessante publica-la, deixo a interpretação aos seus critérios, é claro.

VEJA decreta: VITÓRIA DA BADERNA!
Baderna
Você sabe quem foi Baderna?

Marietta Baderna, nascida em Piacenza, em 1828, filha do médico e músico Antônio Baderna. Conforme o professor Ari Riboldi, especialista em termos e expressões da língua portuguesa, Marietta, ainda adolescente, tornou-se famosa bailarina, com muito sucesso na Itália e países europeus vizinhos, como a Inglaterra. Nesse período, a Itália passou por conflitos internos e ficou dividida, com parte de seu território sob dominação da Áustria. Graças ao sucesso de sua arte, a bailarina teria contribuído com recursos para a causa da unificação de seu país.

A palavra “Baderna” é exclusiva do português do Brasil. Surgiu em fins do século XIX, quando da vinda de uma companhia de dança italiana à então capital, Rio de Janeiro. A dançarina principal era a senhorita Maria Baderna. Moça liberal, inovadora, causou grandes críticas ao introduzir entre os passos da dança clássica gestos do lundu, dança afro-brasileira bailada somente por escravos e forros perseguidos pelas autoridades ferozmente na época, em meio a polêmica de que ela estaria corrompendo a juventude brasileira, aqueles que defendiam seu espírito transgressor, libertário e revolucionário passaram a ser chamados de baderneiros.

Para escapar da perseguição política, em 1849, Marietta e seu pai refugiaram-se no Brasil, fixando residência no Rio de Janeiro, lugar ideal para a família Baderna prosperar. O Brasil vivia o regime imperial. “A bailarina começou a apresentar-se no Teatro Imperial e logo conquistou uma legião de fanáticos fãs, especialmente entre o público mais jovem”, conta Riboldi. Talentosa, de espírito rebelde e contestador, a artista ganhou muitos admiradores.

Logo, porém, começou a sofrer a perseguição dos conservadores e moralistas. Para eles, a bailarina italiana representava um perigo ao futuro das novas gerações, um mau exemplo. “Ela vivia com um artista sem estar formalmente casada. Além disso, incorporara em seu repertório clássico músicas e coreografias de origem popular brasileira e africana”, explica. Começou a ser rejeitada pelos empresários e suas apresentações ficavam reduzidas em tempo e em segundo plano. Os seus fãs, já conhecidos como baderneiros, protestavam batendo os pés no chão e interrompendo os espetáculos. Ao término das apresentações, saíam pelas ruas da cidade batendo os pés e gritando o nome da artista.

Prevaleceu a vontade dos conservadores e os bons costumes foram salvaguardados. Marginalizada e para muitos tida como prostituta, não coube a Marietta Baderna outro destino: com o pai voltou para a Itália e sua carreira entrou em decadência. “Dela ficou como legado a ousadia de afrontar as ditas regras sociais e bons costumes e a palavra baderna, registrada como sinônimo de bagunça, confusão, desordem pública”, explica o professor.


Comentários Sociais

Respostas

Posts anteriores

Papo sério - Carta à Fran, a menina que foi massacrada por vídeos de sexo no celular

Próximo post

Curiosidades - O Chocolate pode entrar em "extinção"

Sir. Aulus

Sir. Aulus

Vegano, estudante de Ciência e Tecnologia da Universidades Federal da Bahia. Apaixonado por tecnologia, filosofia, música, teatro, defensor dos direitos animais, humanos e não-humanos. Aprendiz de Jiu-jitsu e amante de bons filmes e livros.

Comentários

Sem comentários

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *